A importância da ultrassonografia nas doenças das mamas

A importância da ultrassonografia nas doenças das mamas

Muitas são as indicações para a realização da ultrassonografia das mamas, a principal delas é a complementação da mamografia em mulheres portadoras de mamas densas.  Os diversos avanços tecnológicos dos aparelhos de ultrassonografia aliados à sistematização do léxico utilizado na descrição das imagens bem como a estratificação destas em categorias pré-estabelecidas de risco  para a malignidade tornaram este método imprescindível no estudo das alterações mamárias. 

É inegável o avanço tecnológico da ultrassonografia das mamas observado nas últimas duas décadas. Recursos como a imagem harmônica, o Doppler e a elastografia, bem como o uso de sondas de alta frequência, tornaram este método de imagem mais preciso e indispensável, principalmente nas mulheres classificadas como tendo mamas densas pela mamografia.

Uma vantagem adicional da ultrassonografia consiste no fato de ser o único método de imagem em que a paciente interage com o médico durante a realização do exame: essa interatividade aliada à dinamicidade própria desta técnica auxiliam na elaboração do raciocínio diagnóstico.

Além do desenvolvimento tecnológico, a simplificação e unificação dos termos que descrevem as lesões mamárias proporcionadas pelo uso do sistema BI-RADS® traduziu-se em uma maior concordância de interpretação das imagens da mama entre os radiologistas e ultrassonografistas, que passaram a estratificar as imagens encontradas em categorias pré-estabelecidas de risco para malignidade.

Principais indicações para a realização da ultrassonografia das mamas:

  • Avaliação dos achados clínicos como por exemplo dor local ou difusa, processos infecciosos e inflamatórios, nodulação palpável, alterações cutâneas e eliminação de secreção pela papila;
  • Avaliação das mamas em gestantes e lactantes;
  • Análise dos implantes de silicone;
  • Trauma e pós-operatório;
  • Complemento das alterações descritas pela mamografia e/ou ressonância magnética;
  • Direcionamento das biópsias da mama;
  • Estudo da mama masculina;
  • Rastreamento em mulheres com mamas densas pela mamografia. Em cada grupo de 1.000 mulheres com mamas densas, a ultrassonografia diagnostica 2,3 a 4,6 casos de câncer que não foram detectados pela mamografia.

Fonte:

ACRIN 6666 screening breast ultrasound in high risk women. American College of Radiology Imaging Network. http://acrin.org/Portals/0/Protocols/6666/Protocol-ACRIN%206666%20Admin%20 Update%2011.30.07.pdf.

Berg, WA, Blume, JD, Cormack, JB, et al. Combined screening with ultrasound and mammography vs mammography alone at elevated risk of breast cancer. JAMA 2008;299(18):2151-2163.

Imagem: Fotolia.

Kemuel Bandeira
kemuel@humani.us

Membro titular do Colégio Brasileiro de Radiologia/ Membro titular da Sociedade Brasileira de Ultrassonografia/ Título de especialista em Ultrassonografia Geral pelo CBR-AMB/ Título de especialista em Medicina Intensiva AMIB/AMB/ Título de especialista em Clínica Médica GDF/MEC/ Membro da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva.