Dúvidas comuns sobre BI-RADS®

O BI-RADS® é um sistema que permite analisar as características das lesões mamárias (cistos, nódulos e alterações pós cirúrgicas, por exemplo) e estimar o risco destas lesões representarem uma patologia maligna.

BI-RADS é um manual de padronização que visa uniformizar a terminologia médica utilizada nos laudos de imagem da mama (ultrassonografia, mamografia e ressonância magnética). É um acrônimo para Breast Image Reporting And Data System (Banco de dados para o relatório de imagens da mama, em uma tradução livre) e vem sendo utilizado no Brasil desde 1998.

A principal vantagem deste sistema traduz-se na maior concordância de interpretação das imagens da mama entre os radiologistas, que passam a estratificar as imagens encontradas em categorias pré-estabelecidas de risco para malignidade. Na tabela abaixo vemos as possíveis categorias em que uma dada imagem pode ser classificada, indo de 0 até a 6.

A categoria 0 expressa a necessidade de prosseguir a investigação com outro método de imagem. São poucas as situações onde designamos BI-RADS 0 na avaliação ultrassonográfica. As categorias BI-RADS 1 e 2 indicam que não há risco de malignidade. O BI-RADS 3 é a utilizada para os nódulos com características benignas e para alguns tipos de cistos. O risco de malignidade é pouco provável, ficando abaixo de 2%. Geralmente indica-se apenas acompanhamento ultrassonográfico a cada 6 meses durante dois anos consecutivos e a partir deste período, a avaliação passa a ser anual. A categoria 4 é a mais heterogênea, com risco para malignidade oscilando entre 3 a 95% e, por isso, houve a necessidade de subdividi-la em classes 4A, 4B e 4C. Toda imagem classificada como 4 necessita de realização de biópsia para esclarecimento diagnóstico. Nas subcategorias 4A e 4B, aguarda-se que o resultado da biópsia seja negativo e na 4C, a maior probabilidade é de doença maligna. A categoria 5 aponta para uma quase certeza de malignidade, e por fim, a categoria 6 é reservada para as pacientes que fizeram biópsia e já possuem laudo histopatológico de câncer.

Imagem: Fotolia